dança circular: meditação em movimento

As Danças Circulares são danças dos povos, dançadas em diferentes culturas e momentos da humanidade, desde sempre. É uma meditação em movimento. Enquanto você se deixa levar pela roda e vai acertando os passos, sua mente fica tão concentrada naquele processo, naquele passo, naquele ritmo, que vai entrando em um vazio meditativo delicioso. Eu adoro!

O círculo é um dos símbolos mais importantes e poderosos e uma das grandes imagens arquetípicas da humanidade. São infinitas as imagens circulares encontradas no mundo. Círculo, forma universal que representa o todo unificado, sem começo, meio ou fim. Sem hierarquia.

Enquanto dançamos em Círculo, vamos desenhando uma Mandala. Em suas obras, Jung refere-se às Mandalas, palavra sânscrita que significa círculo, como símbolo dos “si mesmo”, a totalidade da personalidade – o SELF. Para ele, a meta do desenvolvimento psíquico é a individuação, ser o “si mesmo” que se é, e a aproximação em direção a ela não é linear, mas circular.

Dançar é movimento. Do corpo, da energia, da vida. O movimento, o ritmo e a participação de cada um faz como que o círculo seja vivenciado como símbolo vivo e pulsante. Se energia psíquica para Jung é igual energia vital, a partir do momento que eu trabalho o movimento nas danças, ativando a minha energia vital, estou também ativando a minha energia psíquica. Fazendo fluir conteúdos entre as diferentes camadas da psique, ou seja, tornando conteúdos inconscientes, conscientes – individuando.

“Dançar é celebrar, é a demonstração dos sentimentos quando as palavras são insuficientes. O homem primitivo dançava em todas as ocasiões, ao amanhecer, na morte, no nascimento, para celebrar um encontro, o casamento, a boa caça, o plantio e a colheita. A primeira representação de uma dança em grupo encontrada na história da humanidade, data de 8.000 anos a.C., é a Roda de Addaura, localizada em Palermo na Itália.”

A dança circular enquanto movimento teve início em 1976, através do bailarino e coreógrafo polonês Bernhard Wosien. Segundo ele, o intuito era trabalhar uma expressão corporal que pudesse transmitir organicamente um estado espiritual de alegria e amor.  Conseguiu.

Todas as danças circulares são um convite para olharmos para nós mesmos e para o outro e podem ajudar na construção de caminhos para essa essência que Jung chamou de Self, pois, possibilitam a vivência simbólica e energética dos arquétipos e imagens simbólicas inconscientes, propiciando a integração desses conteúdos.

Vamos dançar?

p.s: conteúdo baseado no trabalho de Conclusão de Pós-Graduação em Psicologia Analítica no Instituto Ânima, de autoria de Amanda Vigo – “A contribuição das danças circulares para o processo de individuação proposto por C. G. Jung.”

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
inscrever-se
Notify of
0 Comentários
feedback em linha
ver todos os comentários

posts relacionados

textos especiais nos equinócios e solstícios por email? assine.

nunca compartilharemos seus dados

0
deixe seu comentáriox
()
x

sobre o blog

Esse blog nasceu de um constante mergulhar em mim mesma e no universo ao meu redor.

Traduzir em palavras os sentimentos que me atravessam me ajuda a organizá-los e refleti-los.

Perguntar-nos ‘Quem sou eu?’ é pra que estamos aqui! E eu espero te inspirar a explorar esse tema.

about the blog

This blog was born from the constant dive into myself and the universe around me.

To reflect into words the feelings that emerge, helping me to organize and translate them.

To ask ourselves ‘Who am I?’ is what we are here for! I hope this blog inspires you to explore it.