quem mora dentro de você?

Era uma vez, num reino muito, muito presente ainda, três mulheres… que moram dentro de mim… Ana Luiza como me apresento, como me chama minha mãe ou, como percebi mais recentemente, me chamam meus irmãos quando querem ‘me chamar atenção’… Analu como me chamam amigas; é meu gmail, meu twitter,

amadurecer pra quê?

Há algum tempo o tema amadurecer tem aparecido com certa frequência no consultório e foi tema do círculo de mulheres deste mês! Além disso, notei que tenho em terapia hoje mais “Perséfones” do que acontecia há um ano, por exemplo. Obviamente esses fatos se relacionam, e como já escrevi num

cada um que vem ao meu consultório toca algum ponto meu?

Alguém me fez essa pergunta recentemente. Sim, sem dúvida cada um que senta na minha frente me traz a pergunta: Onde isso toca em mim, se é que toca? Eu só consigo caminhar num processo terapêutico com alguém se o que toca o outro, toca em mim! Essa foi a minha

processos

Estar aqui, hoje, é parte do ‘jogo de xadrez’ que é a vida; tão lindo ‘from where I stand’! Tenho outro blog, onde escrevo desde 2009, mas que sempre divulguei ‘muito pouco ou quase nada’… Colocar mais a minha cara por aí é algo que bate à porta da minha consciência

era uma vez uma dor no joelho…

Em meados de 2015 eu machuquei o joelho numa aula de dança; putz que coisa chata!! foi o que que senti. E sofri. Parei o pilates e comecei a fisioterapia. Tudo melhorou, mas quando praticava yoga voltava alguma dor. Em meados de 2016, no meu primeiro retiro de yoga da

sobre nossos processos de transformação

Recentemente, num dos encontros mensais do Círculo de Mulheres conversamos sobre nossos processos de transformação: como acontecem, o que causam, as dores e delícias… e foi tão lindo e inspirador que resolvi compartilhar um pouco aqui…. Transformar-se é morrer para aquela que eu fui para renascer outra, diferente, mais alinhada

Outros saberes no seu email? Assine aqui:

nunca compartilharemos seus dados