compromisso e liberdade

Se compromisso e liberdade podem ser vistos como opostos por um olhar distraído, me parecem profundamente interligados e indispensáveis um ao outro.

Compromisso é um pacto, um acordo entre partes. E portanto fala de uma relação eu-outro. Quando me comprometo com alguém estou fazendo um pacto de estar nessa relação com a outra pessoa, construí-la juntos.

Construir uma relação demanda respeito em primeiro lugar, pois uma relação implica diferença. O outro só é o outro porque é diferente de mim, se não, não seria outro.

Aí que entra a necessidade do compromisso. Um pacto de respeito com a diferença de cada um. Respeito por mim e respeito pelo outro. Pelas minhas necessidades e vontades e pelas necessidades e vontades do outro.

Se para haver uma relação é preciso que haja um outro, diferente de mim, cada um nessa relação precisa ter a liberdade de ser quem se é, pois se não, de novo, não existirá o outro, mas apenas uma imagem projetada de mim, no outro.

Então é preciso um compromisso verdadeiro para dar ao outro a liberdade de ser quem se é.

Faz sentido para você como faz para mim?

Claro que não acho que seja fácil a proposta de uma relação compromissada e livre, sabe? Mas autoconhecimento e diálogo verdadeiro parecem ser um bom começo.

Autoconhecimento para sabermos quem somos e o que queremos, para não estarmos na relação com o outro de forma projetiva e reativa a partir das nossas feridas afetivas, ou dependentes e co-dependentes, esperando que o outro se responsabilize por nós, por nossa felicidade e ‘salvação’.

E a partir daí precisamos exercitar, e muito, nossa capacidade de diálogo. Ser capaz de dizer o que penso, sinto e quero. Ser capaz de ouvir o que outro precisa, pensa e sente. Encontrar pontos de encontro, de respeito, de partilha verdadeira.

Fecho essa reflexão com uma citação de Jung com a qual compartilho profundamente, pois é o que minha prática clínica e de autoconhecimento me mostrou:

“As pessoas, quando educadas para enxergar claramente o lado sombrio de sua própria natureza, aprendem ao mesmo tempo a compreender e amar seus semelhantes, pelo menos assim se espera. Uma diminuição da hipocrisia e um aumento do autoconhecimento só podem resultar numa maior consideração para com o próximo, pois somos facilmente levados a transferir para nossos semelhantes a falta de respeito e a violência que praticamos contra nossa própria natureza.”
inscrever-se
Notify of
0 Comentários
feedback em linha
ver todos os comentários

textos especiais nos equinócios e solstícios por email? assine.

nunca compartilharemos seus dados

0
deixe seu comentáriox

sobre o blog

Esse blog nasceu de um constante mergulhar em mim mesma e no universo ao meu redor.

Traduzir em palavras os sentimentos que me atravessam me ajuda a organizá-los e refleti-los.

Perguntar-nos ‘Quem sou eu?’ é pra que estamos aqui! E eu espero te inspirar a explorar esse tema.

about the blog

This blog was born from the constant dive into myself and the universe around me.

To reflect into words the feelings that emerge, helping me to organize and translate them.

To ask ourselves ‘Who am I?’ is what we are here for! I hope this blog inspires you to explore it.